Vivendo com Ácido Fítico – Parte V 21/11/2013

This post has already been read 34395 times!

Continuação da Parte IV

Quando eu li esta parte do estudo do ácido fítico eu entendi porque algumas pessoas vegetarianas cuja alimentação é baseada em grãos e que não aplicam os cuidados necessários para seu consumo adequado podem apresentar tantos problemas de desnutrição.

Os grãos em seu estado natural são anti-nutritivos!

black-beans

Hoje em dia com a conveniência dos enlatados (que, diga-se de passagem, já são contaminados no momento em que são enlatados porque a lata recebe um tratamento químico que é aplicado por dentro e que funciona como um filme entre o alimento e a lata para prevenir corrosão.), pré-cozidos (sem neutralização dos grãos e com alta temperatura que destrói nutrientes) e restaurantes ficou muito fácil preparar uma refeição rápida, mas o preço que se paga a longo prazo não compensa. Recentemente li artigos sobre ex-vegetarianos, mas isso é assunto para um artigo futuro que enfrentaram todo tipo de disfunção metabólica, perda óssea, anemia, problemas de trato intestinal, digestivo devido ao consumo errado de soja, grãos, nozes e sementes e que tiveram que aprender à duras penas o caminho de volta à saúde. Isso é também prova de que feijão na mesa todo dia não é necessariamente receita de fortalecimento, a não ser que o feijão tenha sido deixado de molho por pelo menos 24hrs em água com um pouco de vinagre de maçã vivo, soro de leite, limão ou kombucha e depois enxaguado antes de cozinhar para reduzir os anti-nutrientes dos grãos.

Veja abaixo:


O LIMIAR DO FITATO

Germinação libera vitaminas e faz grãos, feijões e sementes mais digestas.

Ao que parece, uma vez que o nível de fitato foi reduzido, de tal forma que há mais fósforo disponível que fitato no grão, temos passado um ponto crítico e o alimento se torna mais benéfico do que maléfico.  A retenção de fósforo diminui quando o fitato na dieta é de 30-40 % ou mais do total de fósforo. Para uma saúde melhor, fitatos devem ser reduzidos, tanto quanto possível, o ideal é de 25 miligramas ou menos em cada 100 gramas, ou cerca de 0,3% dos alimentos ingeridos que contenham fitato. Neste nível, a perda de micronutrientes é minimizado. (Mais tarde publicaremos uma tabela de níveis de fitato em diversos alimentos)

Arroz e pão branco são alimentos com baixo nível de fitato porque seu farelo e gérmen foram removidos, e é claro, eles também estão desvitalizados de vitaminas e minerais. Mas o baixo teor de fitato dos carboidratos refinados podem explicar por que razão alguém cuja família que come farinha e arroz brancos podem parecer ser relativamente saudáveis e imunes às cáries enquanto que comer pão integral e arroz integral poderia sofrer de cáries, perda óssea e outros problemas de saúde.

FITATOS E GERMINAÇÃO

Produtores caseiros de cerveja sabem que para fazer cerveja, eles precisam germinar os grãos. Deixar de molho e germinar sementes é uma boa ideia, mas isso não elimina completamente o ácido fítico.Uma quantidade significante de ácido fítico permanecerá na maioria dos grãos germinados. Por exemplo, o processo de maltagem reduz o ácido fítico em trigo e cevada em 57%. Maltar ( processo de imersão do grão em água, germinação e secagem ) reduz mais anti-nutrientes do que assar.  Eu outro experimento, maltar também resulta na diminuição de 23.9% do ácido fítico após 72 horas e 45.3% após 96 horas.

Em leguminosas, germinação é a maneira mais eficaz de reduzir ácido fítico, mas este processo não elimina  todo o ácido. Germinar amendoins levou a uma redução de 25% de fitatos. Depois de cinco dias de germinação, o grão-de-bico manteve cerca de 60%  do seu conteúdo de fitato e as lentilhas mantiveram cerca de 50% de seu ácido fítico original. Germinar e ferver ervilha d’angola e “bambara groudnut” reduz 56% do ácido fítico. Germinar feijão preto resultou na redução de 75% do ácido fítico após 5 dias de germinação. A germinação é mais efetiva em altas temperaturas, provavelmente por que o calor estimula uma condição que imita a fermentação. Para  painço pérola , germinação em 33º C por um período mínimo de 48 horas remove 92% do fitato. Em 28º C, mesmo após 60 horas, apenas 50% de ácido fítico foi removido. Temperaturas acima de 30º C parecem ideais para remoção do fitato, pelo menos para o painço.

Germinação libera vitaminas e faz grãos, feijões e sementes mais digestas. Entretanto, é uma pré-fermentação, e não um processo completo para neutralizar o ácido fítico. Consumir regularmente os grãos que são apenas germinados  vai levar à ingestão excessiva de ácido fítico. Grãos germinados também devem ser deixados de molho e cozidos.

 


Meu nome é Cristine e este blog é para você. Ele também representa um novo começo para mim.

Sou apaixonada por saúde, moro na Florida, USA e administro nossa empresa de exportação.
47 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.