Vivendo com Ácido Fítico – Parte III 08/11/2013

Trigo Integral, Continuação da Parte II 

Minha mãe recentemente foi diagnosticada  com desnutrição em um nível considerável. Ficamos todos muito surpresos pois sempre achávamos que comíamos bem. Uma conhecida minha acabou de ser diagnosticada com anemia, apesar de dizer que se alimenta muito bem. Cada vez mais pessoas estão descobrindo e se surpreendendo com este tipo de problema. Não posso deixar de considerar que a dieta rica em ácido fítico tenha tomado sua parte na causa destes diagnósticos. Veja abaixo:


474854_371598079549493_193838570658779_1073665_1548223995_o

EFEITOS PREJUDICIAIS

Dietas com alto teor de fitato resultam em deficiências minerais. Em populações onde os cereais constituem uma importante fonte de calorias, o raquitismo e a osteoporose são comuns.

O interessante é que o corpo tem uma certa capacidade de adaptação aos efeitos de fitatos na dieta. Diversos estudos mostram que indivíduos que ingerem níveis elevados de trigo integral, no início eliminam mais cálcio do que consomem, mas após várias semanas desta mesma dieta, eles alcançam um equilíbrio e não excretam mais excesso de cálcio. No entanto, não há estudos sobre este fenômeno durante um longo período, nem há pesquisadores analisando a questão de saber se seres humanos podem se ajustar ao fitato e seu efeito redutivo de outros importantes minerais como ferro, magnésio e zinco.

O efeito bloqueador do ácido fítico sobre o zinco e ferro pode ser são sério quanto o do cálcio. Por exemplo, um estudo mostrou que um rolo de trigo contendo 2 mg de ácido fítico inibe em 18% a absorção de zinco; 25 mg do ácido no mesmo rolo inibe a absorção de 64% do mineral; e 250 mg do ácido inibe 82% de absorção de zinco. Nozes tem uma ação inibitória de ferro marcante devido ao seu teor de ácido fítico.

A longo prazo, quando a dieta não tem sais minerais ou contém níveis elevados de fitatos ou ambos, o metabolismo diminui e o corpo entra “estado de fome de minerais”. O corpo então define-se para a utilização mínima desses minerais. Os adultos podem viver décadas com dietas com alto teor de fitato, mas crianças em desenvolvimento correm risco de problemas severos. Em uma dieta rica em fitatos, seus corpos irão sofrer com a deficiência de cálcio e fósforo gerando ossos fracos, baixa estatura, raquitismo, mandíbulas estreitas e enfraquecimento dos dentes; e pela deficiência do zinco e ferro, podem desenvolver anemias e retardamento mental.

Veja a Parte IV 


Meu nome é Cristine e este blog é para você. Ele também representa um novo começo para mim.

Sou apaixonada por saúde, moro na Florida, USA e administro nossa empresa de exportação.
Comente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *