SOBRE O COLESTEROL 02/11/2013

“A gordura que se come tem um impacto muito pequeno nos níveis de colesterol no seu corpo. Isto é um fato, não minha opinião. Qualquer um que disser o contrário é, na melhor das hipóteses, ignorante sobre o assunto. Na pior das hipóteses, eles são charlatães deliberados. Há  vários anos as Linhas de Orientação Canadense removeu esta limitação do colesterol alimentar. O resto do mundo, especialmente os Estados Unidos, precisa se orientar.”  (Peter Attia, doutor médico da Eating Academy.com, “A enganação do Colesterol” Parte 1)

Um dos maiores choque que tive ao entrar no mundo dos alimentos reais e saúde de verdade foi aprender que Colesterol não só é bom, mas é vital para nossa saúde e que os remédios que combatem o colesterol são muito prejudiciais aos neurônio humanos e deve ser usado com muita precaução em casos muito graves, ao contrário do que se vê hoje onde em quase cada casa tem alguém tomando estatina. É quase um modismo! Eu realmente não tinha ciência desta situação descontrolada que se criou atualmente onde a preguiça tomou lugar do bom senso. O livro ” The Great Cholesterol Myth” de Jonny Bowden e Stephen Sinatra é parada obrigatória se você ou alguém que você ama está usando drogas para baixar o colesterol.

Recentemente eu estive num resort e enquanto aproveitava a piscina pude ouvir parcialmente a conversa de 3 mulheres que pareciam estar nos seus 50 e tantos anos conversando sobre saúde. Uma delas disse: “…e daí meu médico aumentou a dosagem do meu lipitor”.

O Paul me disse sem erguer os olhos da revista que ele estava folheando: “ Não diga nada e fique fora disso.”

Caramba, como é difícil! Eu acho que não me queimei o suficiente ainda. Meu impulso foi correr lá e dizer o que sei sobre colesterol e estatina. O pouco que sei do que aprendi lendo artigos publicados na www.WestonAPrice.org, na Well Being Journal, livros e documentários sobre saúde de verdade. Será que os médicos sabem menos que eu? Com certeza não! É tao arrogante da minha parte pensar assim, não e’? Então por que eles enfiam drogas tão perigosas goela abaixo da população, muitas vezes sem necessidade? Acho que cheguei a uma conclusão que alivia minha angústia de pensar que somos enganados: A maioria das pessoas quer uma solução em cápsula quando procura um médico. O desejo pelo fácil. Eu imagino como deve ser frustrante e cansativo para um profissional da área médica tentar convencer as pessoas que a solução é mudança no estilo de vida. Isso é um assunto que requer horas e horas de educação. Se um médico atende 10, 15 pacientes por dia, 5 dias por semana, 4 semanas por mês, isso são 2400 a 3600 por ano no mínimo. É muito envolvimento emocional. O desgaste decorrente desta missão educativa é imenso e por isso eles lhe dão um bilhetinho contendo uma assinatura que é interpretado como um passe mágico para a solução do problema pra sempre quando na verdade é a senha do desastre.  Em cima disso a indústria farmacêutica gasta milhões de cifras em marketing mostrando pessoas de meia idade ironicamente “cada vez mais jovens” vivendo felizes com seus cachorros, barcos, bicicletas, jardins, familiares e amigos nos comerciais de TV, porque alegam estar tomando a tal droga.

Deveríamos usar serviços médicos para cuidar de emergências. Porém condições crônicas derivadas de estilos de vida mal administrados se tornaram as emergências da atualidade.

Diabetes, por exemplo, é uma doença nutricional e só pode ser curada com nutrição. Insulina não é solução.

As pessoas que tratam condições crônicas se comportam mais ou menos como aquele visitante do canteiro de obra da construção civil, que entra na área com chinelo de dedo, sem capacete e sem óculos protetor. Quando ele menos espera um grânulo respinga no seu olho, ele recua abruptamente, bate a cabeça numa viga de aço e pisa num prego enferrujado. Imagina se ele fosse pra emergência e o médico de plantão enfaixasse o pé dele, administrasse uma injeção antitetânica, antinflamatório, analgésico e mandasse ele pra casa sem retirar o prego. Isso resolveria?  Pois é exatamente assim que os portadores de condições crônicas se comportam. Tirar o prego doi demais, portanto, deixa ele ali.. Então continuo tomando analgésico enquanto a infecção aumenta, a gangrena é iminente e o perigo de morte aguarda do lado de fora da porta da frente da minha casa. Morte esta, que vem em parcelas lentas e extremamente dolorosas. E dá-lhe coca-cola zero: “a unica coca-cola que eu devo tomar” – dizem eles.  Isso se chama preguiça ou falta de informação?  Se o problema não for abordado corretamente, não vejo solução.

A primeira coisa que a pessoa precisa é admitir’ : “Eu sofro de conveniência, e agora?”  A verdade te libertará. O que fazemos com o tempo livre? Todo mundo tem uma porção dele durante o dia, nem que seja apenas 15 minutos, e se você não tem 15 minutos de tempo livre, tá mais do que na hora de reorganizar sua vida para fazer isso acontecer. Use estes 15 minutos e eduque-se. Estude, duvide, questione, investigue. Faça seu dever de casa. Você só tem 1 pâncreas, um coração. Somente você vai se importar de verdade com o seu corpo. Você quer envelhecer com dignidade e qualidade de vida?

Se a resposta é sim, saiba que isso e’ mais fácil do que imagina. Cultivar hábitos saudaveis é o primeiro passo. Eliminar alimentos processados é o segundo.

Aqui em casa substituímos o azeite de cozinha ( eu usava Canola) para cozimento por óleo de coco expelido a frio, orgânico, sem sabor ou cheiro; banha de porco ou manteiga de animais criados livres de hormônios, antibióticos e alimentados ao ar livre apenas com pasto. O óleo de coco é a gordura mais estável e por isso é tão segura. Óleos poli-insaturados quando aquecidos se tornam tóxicos e saiba que eles já vão para a prateleira do supermercado na sua forma tóxica pois o processo de industrialização já envolve temperatura! E daí você vai refogar uns vegetais, ou fritar um bifinho neste óleo? uuuuuu!!!  tóxico, tóxico, tóxico.
Gorduras saturadas são muito mais saudáveis. Incrível, não? A indústria farmacêutica passou as últimas décadas criando maneiras sedutoras, pregando e convencendo as pessoas do contrário, com o único objetivo de vender drogas e faturar milhões. É como se o borracheiro espalhasse pregos nas imediações da sua borracharia para aumentar a freguesia!. Desonesto, não? Pense, condenaram a banha e promoveram o azeite. Nossos antepassados estavam indo tão bem com a dieta tradicional antiga, por que mexer num time que está ganhando?

Em breve estarei traduzindo artigos de impacto com informações científicas sobre o colesterol.

 


Meu nome é Cristine e este blog é para você. Ele também representa um novo começo para mim.

Sou apaixonada por saúde, moro na Florida, USA e administro nossa empresa de exportação.
3 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *