Multi-Vitaminas – Parte II 02/01/2014

continuação da Parte I

Continuando nossa expedição rumo aos suplementos idôneos…

Em condições ideais, as melhores multivitaminas também conterão as mesmas recentes descobertas de phytonutrientes (plant chemicals) que reflete na atual recomendação de dieta saudável, tanto quanto a dieta Mediterrânea. A dieta Mediterrânea inclui largas porções de vegetais, frutas, azeite de oliva, ervas, frutos do mar, e o mínimo de carne vermelha e produtos do dia a dia.

Melhor de tudo, este tipo de dieta tem sido mostrado por conter diversos benefícios para a saúde, particularmente na prevenção de câncer e doenças do coração.

Esta dieta contém vários super alimentos, designados assim por sua abundante e única forma de ingredientes nutricionais.  Estes incluem couve, beterraba, repolho, brócolis, espinafre, romã, azeitonas, tomates, turmerics, uvas, chpa verde e vinho tinto. Uma nova tecnologia permite a extração dos phytonutrients e serem usados em suplementos, trazendo a abertura entre dieta e suplementação.

Enquanto uma específica dieta multivitamínica é uma grande melhora acima de vitaminas básicas, uma melhora ainda melhor vai incluir nutrientes que atingirá diversos sistemas vitais e processos no organismo.

Principais áreas incluídas:

-Neurológico (cérebro),

-Cardiovascular (coração),

-Mental-Emocional (humor),

-Visão,

-Digestão,

-Inflamação e

-Oxidação (antioxidantes)

Vamos olhar para cada um destes sistemas em detalhes enquanto realçamos alguns dos nutrientes ideais que um multivitamínico deve conter para dar suporte a determinada área de saúde.

Suporte Neurológico

A memória e outras funções cerebrais diminuem lentamente com o tempo, por isso é tão importante estimular o cérebro a medida que envelhecemos. Felizmente existem fatores nutricionais específicos para manter a atividade cerebral e diminuir o processo de envelhecimento do mesmo.

Ashwagandha (withania somnifera)  é uma erva derivada da Ayurveda (sistema médico tradicional Indiano) com efeitos neuroprotetores.  Um estudo de Maio de 2003 mostrou que Ashwagandha protegeu um cérebro agindo como antioxidante, enquanto uma revisão publicada em 2011 mencionou sua utilidade contra condições neurodegenerativas em doenças como Parkinson, Ahlzheimer e  Huntington.

Óleos especiais como ômegas encontrados principalmente em peixes, especialmente o ácido graxo ômega-3, também tem efeitos protetores do cérebro. Um estudo de Janeiro de 2010, declarou que existe uma associação protetora entre o ômega-3 e o declínio cognitivo. Ômega-3 pode prevenir demência limitando inflamação, coagulação do sangue, e melhorando a função da circulação sanguínea cerebral.

E mais, o  ácido docosahexaenoic (DHA), um importante ácido graxo ômega-3 é o maior construtor de células cerebrais.

Clique aqui para ver a parte III deste artigo.


Meu nome é Cristine e este blog é para você. Ele também representa um novo começo para mim.

Sou apaixonada por saúde, moro na Florida, USA e administro nossa empresa de exportação.
Comente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *