Mudando nossa percepção do câncer – Stuart Nunnally e Odontologia Biológica – Parte 7 08/06/2018

This post has already been read 99 times!

Clique aqui para acessar a Parte 6.

Como você já deve estar sabendo, em Outubro de 2017 eu participei de um evento internacional sobre curas alternativas para câncer. Eu estou estudando este assunto desde 2013, 2014.. Quanto mais a gente explora, mais a gente acha. A palestra do Dr Nunnally foi uma das melhores surpresas. Eu nunca imaginava o quanto as práticas odontológicas em vigor impactam a nossa saúde e qual parcela que ela contribui para pessoas suscetíveis ao câncer.

Gabriel na dentista

Nos últimos anos eu gradualmente substitui as obturações de mercúrio pelo material branco, ciente que mercúrio não faz bem. Na noite após uma das remoções grandes eu tive um surto de taquicardia e muita dificuldade de dormir. Eu tinha umas espécies de peristaltos, lapsos, talvez sejam mioclonias. Este é um sintoma que tento entender e reverter há pelo menos 15 anos sem sucesso. Naquela noite, os choques epiléticos ( melhor maneira de descrever) foram terríveis! Eu pensei que ia morrer. Meses depois eu consegui associar com a remoção do amálgama de mercúrio. O vapor inalado, a contaminação durante a remoção me afetaram tremendamente. Umas duas semanas se passaram até os eventos diminuissem e voltasse a ser menos intensos.

Outra recém descoberta foi a correlação de doenças da gengiva com câncer de próstata. Pois este foi 100% preciso. Meu pai nunca teve uma dentição muito sadia mas depois dos 70 anos de idade a saúde bucal dele se deteriorou bastante a ponto de evoluir para uma gengivite aguda. Ele fez tratamento, arrancou os dentes que não serviam e fez implantes. Não demorou muito para que fôssemos surpreendidos com o diagnóstico de câncer de próstata do nosso pai. Nunca fomos informados por nenhum doutor, entretando, da conexão de um problema com o outro.

Não acredita ainda? Eu conheci uma moça aqui que tinha as gengivas bem feias, sabe aquela coloração escuro-acinzentada? Você pode ver logo que a pessoa não é saudável. Bom! Uma das primeiras coisas que ela me falou foi que ela havia tido crises de pedras nos rins no final da adolescência. Pois Dr Nunnally fala desta correlação também. Quanto mais se olha, mais se acha!

Abaixo vou relatar o que ouvi e aprendi e comece a observar e cruzar fatos sobre a sua própria saúde e a das pessoas que lhe rodeiam.

Stuart Nunnally

O Dr Nunnally dedicou sua carreira à medicina dental biológica e integrativa e entre diversas outras certificações e posições de importância que ocupa, uma delas é diretor do comitê de osteonecrose da mandíbula ( nem sabia que isso existia, você sabia?) na Academia Internacional de Medicina Oral e Toxicologia. Ele atende pacientes dos Estados Unidos inteiro além de já ter atendido pessoas de 24 países estrangeiros. Além disso ele também é professor na Academia de Medicina Integrada e Odontológica.

Dr Nunnally foi pêgo de surpresa há alguns anos com um diagnóstico de suspeita de doença degenerativa do sistema nervoso motor. Depois de muito pesquisar, ele foi se tratar no Canadá e seu problema era intoxicação de mercúrio por ter trabalhado tantos anos exposto a metais pesados. Foi aí que ele começou a se aprofundar em saúde holística a ponto de hoje estar também tratando de pacientes de câncer que precisam se desintoxicar para fortalecer o sistema imunológico.

O site www.IAOMT.org – International Academy of Oral Medicine and Toxicology – reune dentistas, médicos, nutricionistas e toxicologistas do mundo inteiro fornecendo uma riqueza de informações sem igual. Este grupo em Outubro de 2017 contava com cerca de 1000 membros e é uma das melhores fontes para informações sobre odontologia biológica.

Atualmente ele se dedica em grande parte à explorar e ensinar sobre a odontologia e conexão óbvia ao câncer. As razões são:

  • 63% de aumento de incidência de câncer da próstata em homens com gengivite avançada. (Escola da Saúde Pública da Universidade de Harvard 2007)
  • 33% de aumento em risco de câncer de pulmão em pessoas com gengivite moderada(Lancet Oncology May 6, 2008)
  • 50%  de aumento em risco de câncer dos rins em pessoas com gengivite moderada(Lancet Oncology May 6, 2008)
  • 30%  de aumento em risco de leucemia em pessoas com gengivite moderada (Lancet Oncology May 6, 2008)

Gengivite instala um estado inflamatório constante do sistema como um todo. E todas as doenças tem origem em algum processo inflamatório.

E não podemos deixar de lado as conexão menos óbvias ao câncer:

  • obturações de mercúrio

amalgam-fillings-600x330

Há muitos anos atrás a odontologia deveria ter parado e chegado à conclusão de que mercúrio jamais deveria ter sido colocado em contato com o corpo de pessoa alguma. Mas a resistência em admitir este erro é gigante e a prática continua. Estima-se que 40% dos dentistas ainda usam este material abominável nos Estados Unidos até Outubro de 2017. Este material é composto de:

  • 50% mercúrio
  • 30% cobre
  • prata, zinco e estanho em pequena quantidade

Com 50% de mercúrio neste composto eles ainda deram o nome deste material de obturação de prata ( Silver Filling) . Incrível! É hora de mudar.

Fatos sobre o mercúrio:

  • segundo elemento mais tóxico conhecido para humanos
  • neurotóxico potente
  • ausência de barreira biologica
  • acumulativo no feto ( o feto é um magneto para mércurio)
  • depressor ( mercúrio é usado em animais de laboratório para desencadear depressão)
  • iniciador do sistema auto-imune

As únicas razões porque mercúrio foi usado na odontologia é:

  • baixo custo
  • fácil de instalar
  • contribui para rachar os dentes

As obturações de mercúrio:

  • vazam mercúrio por toda a vida do paciente
  • exposição diária excede os limites tóxicos estabelecidos pela Agência Americana de Substâncias Tóxicas e de Registro de Doenças ( ATSDR)
  • Maior contribuinte de carga tóxica para o corpo
  • Maior contribuinte para poluição ambiental ( mais do que as usinas de carvão)

Veja abaixo, no vídeo que mostra um experimento de contraste da toxicidade que emana de um dente arrancado que tem mercúrio contra uma tela fluorescente. Isso pode ser facilmente replicado.

80% deste vapor que se vê no vídeo é absorvido pelo tecido humano.

Estudos em animais já foram feitos em 1989 onde 12 obturações de mercúrio foram feitas em uma ovelha e depois de 29 dias ela foi sacrificada para análise de laboratório e mercúrio foi encontrado no intestino, nos rins, e outras partes. O estudo foi ignorado porque alegou-se que ovelha não mastiga como pessoas. O estudo foi então repetido em um macaco e o mesmo resultado foi obtido. E ainda assim, nada foi feito para evoluir uma prática tão tosca e ofensiva.

Outro problema que temos são coroas. Elas encapsulam toxicidade deixada pra trás de velhas obturações de mercúrio e como já sabemos, não existe barreira biológica para mercúrio. As coroas são feitas de porcelana mas fixadas numa camada de níquel porque é um agente fixador muito forte. E na maioria dos casos em que alguém tem uma coroa implantada, geralmente ainda existe contaminação de mercúrio por baixo e mesmo assim o mercúrio vaza pela raíz para o tecido em volta do dente e chega à corrente sanguínea.

E o tratamento de canal? É seguro? Dr Nunnally fez um estudo onde 100 dentes mortos ( tratamento de canal) foram removidos e testados por 4 dentistas independentes mostrou que não importa quão bem feito é o tratamento de canal, todos os dentes apresentavam toxicidade considerável. Isso não quer dizer que vc deveria imediatemente extrair os tratamentos de canais que você tem. As pessoas tem diferenes sistemas imunológicos e assim como alguns toleram fumar cigarros sem ser ter câncer, alguns toleram os canais pela vida toda. Já existem laboratórios especializados para onde se pode mandar uma amostra do tecido ou do dente e eles conseguem identificar todos os agentes anaeróbicos que ali vivem. Eu vi um exemplo onde o resultado voltou mostrando 33 bactérias anaeróbicas em 1 dente. A conclusão: é impossível fazer um tratamento de canal e ter a garantia que vais ser um procedimento isento de bactérias. O tratamento de canal passa a ser uma bolsa de criação de bactérias ao redor de um dente morto que fica instalado no seu corpo e que tem acesso à sua corrente sanguínea. Isso é totalmente anti natural. O corpo quer expelir o que não é vivo. Pense nisso!  A partir do momento que o suprimento de sangue é cortado para um dente, ele fica indefeso porque ele não recebe mais glóbulos brancos para se defender de agentes infecciosos. O dente não tem somente algumas raízes, ela tem metros e metros de canais microscópicos abertos que se conectam à gengiva e ao osso da mandíbula. Estes micro canais estão fora do alcance do dentista e é impossível fechar eles com qualquer material isolador. Moral da história, o dente passa a ser um pequeno incubador de bactérias a 36 graus Celcius. E lembrem-se nem sempre as bactérias são o problema, são as toxinas que elas produzem que são o perigo, que é exatamente o que Dr Price mostrou ha 100 anos atrás.

Um dos heróis que Dr Nunnally admira foi Weston A Price, um dentista que visitou civilizações que ainda não haviam sido tocadas pela industrialização e ele pôde comparar as dietas de várias delas e o impacto que isso tem na estrutura facial e saúde dos dentes. Dr Price também foi atingido por uma tragédia pessoal. Ele atendia pacientes e também fazia tratamentos de canais e ele fez um no seu filho, um rapaz jovem e saudável que morreu 2 semanas depois de falência cardíaca. Como cientista que ele era, ele extraiu o dente do seu filho falecido. Ele então inseriu partículas deste dente molar no abdômem de 100 coelhos em laboratório e todos os 100 morreram de falência cardíaca. Ele então escreveu 2 livros publicados em 1923 com  1200 páginas relacionando dentes doentes a problemas de saúde sistêmicos. O estudo foi repetido várias vezes quando ele conseguia extrair um dente morto ( com canal tratado) e o resultado sempre era a replicação da doença que a pessoa tinha nos coelhos. Ele ficou tão sofisticado que ele conseguiu separar as bactérias das toxinas que elas produziam e notou que as toxinas eram mais fatais que as bactérias. Vários dentistas e cardiologistas dos nossos tempos já escreveram livros sobre este assunto e você pode estudar mais se lhes interessar.

Qual é opção então? Na clínica do Dr Nunnally o dente morto é extraído, o tecido ao redor é limpado e também o osso. Isso geralmente é um dos erros odontológicos mais comuns. O osso geralmente é negligenciado e quase sempre está contaminado. No lugar do buraco nós usamos um material, uma espécie de cimento que é conectado aos dois dentes vizinhos e depois de alguns dias não dá nem pra ver que isso foi feito. Em pacientes que nos procuram para remover um dente morto e que estão fazendo tratamento de câncer, nós não implantamos nada porque eles já estão com o sistema imunológico comprometido e temos que evitar qualquer coisa dentro do corpo deles que não tenha seu DNA. Em pessoas saudáveis preferimos usar implantes de zircônio.

Já ouviram falar em Cavitação? Poucos ouviram. Isso é uma zona estagnada de osso esponjoso com circulação medular prejudicada cheia de bactéria anaeróbica e suas toxinas em conjunto com osso infectado ou necrosado. (daria quase pra chamar de um osso podre). Isso é muito comum nos ossos das mandíbulas mas também pode ocorrer no quadril como consequência de uma pancada, se o osso não se recupera corretamente.

Cavitation

Esta mancha escura é uma cavitação vista no Raio X. Se depois de 6 meses o raio x ainda mostra a forma do dente ausente no osso da mandíbula geralmente é garantido que é uma cavitação. Quando se abre a área, o que se vê é um buraco cheio de bactéria.

cavitation_in_jaw

E esta imagem é uma autópsia.

O risco que estas bolsas inflamatórias chamadas cavitação oferecem são grandes incluindo trombose intramedular devido ao processo tromoembólico, sem contar que gera a condição de um sistema inflamatório persistente para o organismo todo.

Quer saber uma das coisas mais bizarras que o Dr Nunnally diz ter visto na vida? Que o estudo sobre curetagem de cavitações já foi feito em 1915 em Chicago e até hoje não foi publicado. O estudo foi feito por Greene Vardiman Black, considerado o pai da odontologia moderna. O mesmo método de curetagem do osso ainda é feito hoje em dia em odontologia tradicional. Alguns dentistas especializados na área já usam técnicas mais avançadas e injetam plaquetas na área para agilizar a cura e cicatrização. Plaquetas são um dos milagres secretos de Deus.

plasma

 

Esta é uma imagem mostrando a amostra de sangue depois de centrifugado onde as  camadas se separam e a do meio é PRF – Fibra rica em plaquetas. A parte composta pelas plaquetas pode ser retirada com uma pinça, ela fica bem gelatinosa, bem grossa. Este tecido é manipulado e seccionado para poder ser inserido no osso com resultado excelente! Esta prática começou em 2012 e tem sido um dos melhores avanços na odontologia atual.

A nutrição do paciente também precisa ser direcionada a uma dieta limpa de alimentos processados e rica em alimentos alcalinos e anti oxidantes é vital para a recuperação da saúde oral.

Agora um fato muito curioso: vocês sabiam que na década de 40 supositórios de mercúrio eram usados em pessoas como diurético? incrível! oohh eles urinavam, com certeza! porque o corpo fazia tudo o que podia para se livrar do mercúrio. Obviamente os rins ficaram intoxicados e muitos pacientes até morreram e sabe qual é o antídoto para isso? Vitamina C intravenosa! E foi assim que foi descoberto o uso da Vitamina C intravenosa ( Vit C IV).  E o Dr Nunnally também usa a Vit C IV em seus pacientes recuperando deste tipo de procedimento e para auxiliar na desintoxiação de mercúrio. Deficiência em G6PD é a única contraindicação para receber a Vit C IV. E se algum médico disser que você pode ter pedra nos rins decorrente de Vit C, ele ainda não se atualizou porque já sabemos que isso é uma informação equivocada, desbancada por vários estudos.

Então, o que acharam das informações? Converse com seu dentista durante a próxima visita e comece a pensar em práticas odontológicas saudáveis que contribuam para a sua saúde.

Se você  conhece alguém que possa se beneficiar destas informações, por favor compartilhe.

E se você ainda não cadastrou seu email na nossa página inicial para receber os próximos artigos direto na sua caixa de emails, agora é a hora!

Conte-me o que achou deste material no campo de comentário abaixo. Eu gosto muito de ler o que vocês têm a dizer e eu responderei a todos os comentários. Saúde a todos e agora é hora de partir para a Parte 8 clicando aqui.


Meu nome é Cristine e este blog é para você. Ele também representa um novo começo para mim.

Sou apaixonada por saúde, moro na Florida, USA e administro nossa empresa de exportação.
Comente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.