Mito dos Carboidratos 26/07/2013

O MITO DOS CARBOIDRATOS

É com prazer que compartilho este artigo com vocês que encontrei na revista “Well Being Journal. Foi aqui que aprendi que precisamos de muito pouco carboidrato para viver bem. Eu sinceramente não sabia disso. Você sabia? Eu gosto muito desta revista, pena que não temos algo parecido no Brasil. Ela se tornou minha segunda fonte de mídia alternativa abordando assuntos relacionados à saúde de uma forma muito transparente, com artigos científicos sem segundas intenções em convencer você a comprar um determinado produto. Bom proveito!

Mito 1: “CARBOIDRATO É UM NUTRIENTE ESSENCIAL PARA A BOA SAÚDE.”

Essa é a frase favorita dos membros da Associação Dietética Americana. Mas, por mais que a repitam, não é uma verdade científica. Nutrientes essenciais são nutrientes que nosso corpo não consegue produzir, portanto precisam ser obtidos através da alimentação. Existem proteínas essenciais e ácidos graxos essenciais, mas não existem carboidratos essenciais. Seu corpo pode produzir todos os carboidratos de que necessita a partir das proteínas e do glicerol que faz parte dos ácidos graxos. Porém, o fato de carboidratos não serem essenciais não quer dizer que devemos parar de ingeri-los.

Existem pessoas que toleram a ingestão de grandes quantidades de carboidratos por dia. Há outras que não toleram. Essas pessoas, têm uma baixa tolerância a carboidratos, e se ingerem grandes quantidades, desenvolvem problemas metabólicos como resistência à insulina e diabetes. Algumas pessoas podem comer muitos carboidratos sem desenvolver problemas metabólicos. Os seres humanos podem viver sem carboidratos e manter a saúde perfeita porque o corpo pode usar as cetonas dos ácidos graxos,  como combustível.

Nutricionistas defendem a ingestão diária recomendada de energia, carboidratos, fibras, gorduras, ácidos graxos, colesterol, proteínas e aminoácidos em consultorias nutricionais. Mesmo com a seguinte publicação: “O limite de carboidrato compatível com a vida aparentemente é zero, desde que as quantidades de proteína e gordura sejam adequadas.”

Mito 2: “Há RISCO DE DEFICIêNCIAS DE VITAMINAS COM DIETAS POBRES EM CARBOIDRATOS.”

Na prática, você provavelmente consome mais vitaminas e minerais numa dieta cetogênica, do  que numa dieta padrão, onde  você ingere alimentos integrais (isto é, gorduras naturais, carnes, e verduras).

Mito 3: ” Dietas cetogênicas LEVAM O SEU CORPO `a CETOSE, O QUE é PERIGOSO.” (quando o pâncreas converte gorduras em ácidos graxos e corpos cetônicos, que podem ser usados pelo corpo para energia).

Não é verdade. Quem diz isso está fazendo confusão entre cetose e cetoacidose, que é um tipo de acidose metabólica que é causada por altas concentrações de cetoácidos, formados no metabolismo dos aminoácidos.

Cetose é um caminho metabólico normal na produção de energia quando há escassez de alimento. É controlado pela insulina, a menos que você seja diabético tipo 1 e não produza insulina, isso realmente pode ser perigoso. A diferença é que a cetose é um processo metabólico normal, enquanto acetoacidose é um descontrole metabólico.

Mito 4: “SEUS RINS VãO SOFRER DANOS DE CONSUMIR MUITA PROTEíNA.”

Sempre que alguém diz isso, eu sei que não pesquisou nada a respeito da dieta cetogênica pobre em carboidratos. Eles apenas repetem o que ouvem de outras pessoas. Dieta pobre em carboidratos, especialmente a cetogência, não é uma dieta de consumo de grande quantidade proteína. É uma dieta de consumo de muita gordura e de moderadas quantidades de proteínas. Porém, se você for saudável e não apresenta tendência a nenhuma doença renal, essa dieta não vai fazer mal aos seus rins.

Mito 5: “POUCO CARBOIDRATO, MUITA PROTEíNA, VAI FAZER SEU CORPO EXCRETAR CáLCIO, QUE RESULTARá EM OSTEOPOROSE.”

Repetindo o que foi dito no mito 4, a dieta cetogência não é uma dieta rica em proteínas. É uma dieta rica em gordura e moderada em proteínas. Apesar disso, o consumo de proteína é importante para a saúde de seus ossos. A publicação no Jornal Americano de Nutrição Clínica, entitulado “Dieta da Proteina: A nutrição essencial para a saúde dos ossos”, indica que o consumo de proteína e a adição de cálcio na presença da vitamina D-3,são a chave para a prevenção da osteoporose. Além disso, o documento refere que a ingestão de grandes quantidades de proteína é muitas vezes indicada em pacientes com fraturas de quadril e a dieta  pobre em proteína  provoca a deficiência de massa óssea e da força. Isto é fato, a ingestão de muita proteína está relacionada a força e a densidade óssea. Então, o que causa a perda óssea? Há varias suspeitas: deficiência de magnésio; alto consumo de frutose; intolerância ao glúten e consumo de óleo vegetal, especialmente óleo de milho.

Mito 6: “O ALTO CONSUMO DE GORDURA DA DIETA CETOGêNICA ENTOPE AS ARTéRIAS E DESENVOLVE DOENçAS CARDíACAS.”

Este, eu penso, é o maior dos mitos associado a dieta cetogênica pobre em carboidratos. Isto é baseado na mentira de que gorduras saturadas e colesterol causam arterioesclerose e doenças cardíacas.  Nunca houve qualquer estudo científico publicado que ligasse o colesterol e gorduras saturada a doenças cardíacas. Contundente, mas é verdade. Na verdade, o Jornal Americano de Nutrição Clinica 2010 depois de uma análise destruiu qualquer ligação entre gorduras saturadas e doenças cardíacas.  O estudo do Jornal Americano de Nutrição Clinica mostrou que dieta pobre em carboidratos realmente é melhor do que outras dietas.

O estudo de um Jornal de Nutrição olha diretamente como uma dieta cetogênica afeta positivamente os resultados dos testes de sangue para as doenças do coração. E mais recentemente um estudo da Escola de Medicina da Universidade John Hopkins confirmou que dieta com mais gordura e menos carboidrato não prejudica o sistema vascular e resulta e boa perda de peso. Os autores do estudo confirmaram que “ Dietas pobres em carboidratos não mostraram alterações vasculares nocivas mas perderam 4,5 kg em 10 dias  em  comparação com participantes  de qualquer outra dieta de pouca gordura. O grupo de pouca gordura, cuja dieta consiste em não mais que 30% de gordura e 55% de carboidratos levou em média 70 dias ou mais para perder a mesma quantidade de peso.  Em contraste, tem toneladas de estudos que dietas ricas em carboidratos e elevado nível de açúcar no sangue e  de insulina estão altamente  associados a inflamações e doenças cardíacas.

Traduzido do artigo “Carbohydrate Myths by Ellen Davis, edição de Nov/Dec 2012 da Revista “Well Being Journal.


Meu nome é Cristine e este blog é para você. Ele também representa um novo começo para mim.

Sou apaixonada por saúde, moro na Florida, USA e administro nossa empresa de exportação.
16 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *