KOMBUCHA 29/04/2016

Kombucha!

Primeira vez que você ouviu esta palavra você pensou em que? Ou nunca ouviu falar? Não se preocupe, é nova pra mim também. Eu estava na cozinha da minha amiga Briana (a minha mestre sobre Real Food!, e na verdade responsável por este blog, pois foi com ela que aprendi a maioria das coisas que aprendi e compartilho com vocês). Isso foi em 2013, então ela tinha…14 anos e já fermentava sua própria kombucha.

Fazia o que? Fermentação?

-“Que troço esquisito é isso??”- e dei um passo pra trás quando ela retirou a jarra do armário e a posicionou na minha frente, sobre o balcão central da cozinha. Eu lembrei das jarras de vidro com fetos de animas preservados em formol que tinha no laboratório da minha escola. Mesma cor marrom com um corpo suspenso dentro do líquido! Ela me explicou tudo: que era um processo de fermentação milenar, que havia sido esquecido pela era da modernização, bebida rica em probióticos, é bom pra você, bla-bla-bla…. o resto eu não ouvi mais porque todos os meus sentidos foram sequestrados para a boca e  garganta, ao engolir o primeiro gole que ela me ofereceu. Não é champagne, não é guaraná.. é a super kombucha!!!Kombucha

Gente! eu pensei.. que delícia! sabe quando você engole algo e arregala os olhos? daí você fica assim, paralizado tentando assimilar e você não fala nada, só fica ali.. arregalada? Eu fiquei assim! Daí eu quis saber mais, me explica: como se faz isso?  Quando ela começou a explanação técnica, a mãe dela entrou na cozinha e já me cumprimentou com um abraço e um senta aqui, vamos conversar, me levando para a mesa da cozinha. Eu ainda estava com o meu copo com gelo e kombucha na mão, bebericando. “Bom isso, né!?” – eu falei pra ela. “Sim! a Briana está fazendo um bom trabalho com este projeto biológico.” – ela respondeu e mudou de assunto perguntando se estava tudo bem comigo. Eu só balancei a cabeça que sim e murmurei aham..porque na verdade eu não queria falar de mim, eu queria saber mais sobre este elixir bárbaro que fascinou meu cérebro. Ela contou-me sobre o carro que estava pensando em trocar, a viagem do irmão para Itália, bla-bla-bla.. e eu nem sei mais o que.. porque eu estava me inclinando assim um pouquinho pro lado para espiar por cima do ombro dela a jarra de kombucha no balcão.  -“Será que vão me oferecer mais? será que é indelicadeza minha interrompe-la e pedir mais? ai, ai.. eu quero repetir!” – eu pensando… -“Como é que eu vou fazer pra conseguir beber outro copo. Eu quero um litro! dois litros!” E a minha amiga continuava relatando os acontecimentos em volta da sua vida social e familiar.

-“Você quer mais um copo?” – ela perguntou, obviamente percebeu minha distração e falta de interesse nos assuntos familiares.

 

-“Sim, por favor, se você não se importa. Eu A-M-E-I este negócio!. Você gosta de beber isso?” – eu perguntei enquanto ela me servia um copo deste refrigerante dos deuses.

Kombucha Dec 2014 (3)

-“Gosto sim, temos 2 jarras em contínua fermentação. Quando acaba uma, a outra está pronta.” – ela explicou.

Claro que eu saí de lá com minha própria cultura e já levei a Briana junto pra me ensinar a fazer. Desde então, a mesma colônia de bactérias continua crescendo aqui em casa, com filhos espalhados pelo Brasil.

O que é Kombucha afinal? 

Se você nunca experimentou kombucha, imagine beber um vinagre de cidra agri-doce que é gaseificada como a cerveja e tem alguns pequenos resíduos flutuando ali dentro . É feito de chá levemente adocicado – verde, preto, ou ambos – que fermenta por até um mês, enquanto uma panqueca com aparência de  cogumelo flutua no topo do chá . A panquea é o ingrediente chave . Conhecido como um scoby (colônia simbiótica de bactérias e leveduras ) , essencialmente come o açúcar, ácidos tânicos , e cafeína do chá e cria um coquetel de microrganismos vivos que muitos acreditam ser benéfico. Scobys constantemente crescem e se reproduzem , e os seus descendentes tem peso de moeda corrente entre os devotos da kombucha e que os utilizam na fabricação caseira.

Kombucha é , digamos , um gosto adquirido. Mas, historicamente , o gosto não era o ponto . A maioria dos relatos da história de kombucha vão a 221 AC na China, onde era conhecido como o ” chá da imortalidade. ” Ao longo dos séculos , espalhou-se para o Japão e Rússia, e finalmente fez o seu caminho para os ávidos exploradores de produtos naturais.

Os efeitos reais da kombucha são ainda uma questão de debate. Na minha opinião, um debate de interesses financeiros da indústria do remédio que não quer que o povo seja muito saudável. Como são eles que aprovam ou desaprovam qualquer produto como sendo “remédio”, e a Kombucha pode ser feita em casa além de custar centavos, você tira suas próprias conclusões. A abundância de estudos têm mostrado que os alimentos probióticos – pratos fermentados como kimchi , chucrute,  iogurte não pasteurizado e kombucha – ajudam a digestão e ajudam a manter a saúde intestinal. Há também evidências de que bactérias vivas que consomem pode impulsionar o sistema imunológico e evitar alergias. Kombuchas comerciais modernas muitas vezes incluem ingredientes complementares, tais como gengibre ou sucos que têm seus próprios benefícios de saúde documentados ( e também dão melhor sabor  à bebida) . Os verdadeiros crentes , porém, vêem a kombucha como um tratamento para praticamente tudo, incluindo a calvície, perda de peso, constipação, acne, ressacas , colesterol, AIDS e câncer. Mas a estas conclusões quem tem que chegar é você, o consumidor. 

Eu posso dizer que aqui em casa estamos viciados. E servimos em copos de vinho de cristal, é bem mais valorizado! rsrsrsr.

Nós nos sentimos mais energizados, mais hidratados e felizes, porque não dizer, quando bebemos Kombucha. Então eu tenho a nossa própria produção e também compro no mercado as saborizadas que não são minha especialidade. Ainda.

O universo é o limite quando se trata de diversificar. Eu gosto de bater kombucha no liquidificador com morangos congelados. Se ela está muito forte diluo com água ou chá de cana de cheiro. Outra opção boa é metade kombucha, metade chá de cana de cheiro gelado e hortelã. Meu marido gosta desta: bater gelo e hortelã no liquidificador, misturar isso na kombucha, adicionar uma dose de Vodka e curtir o colchonete flutuante na piscina num dia de verão. Nada mal!! Faz logo uma jarra, vai!

A marca mais famosa nos Estados Unidos oferece 29 sabores. Manga, goiaba, uva, amoras, ervas, etc, etc.


Meu nome é Cristine e este blog é para você. Ele também representa um novo começo para mim.

Sou apaixonada por saúde, moro na Florida, USA e administro nossa empresa de exportação.
7 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *