Bolo de côco angelical – sem glúten e sem açúcar branco 18/11/2018

This post has already been read 352 times!

A parte mais difícil na transição para uma vida mais saudável é largar o açúcar, certo? Venhamos e convenhamos, ele está em todos os cantos esperando por você para dar o bote e lhe levar ao caminho do envelhecimento precoce.

A única maneira de deixar ele de lado é oferecer ao seu paladar uma opção compatível dentro da linha “comida saudável”. Venhamos e convenhamos, isso geralmente é uma bucha. Substituições e adaptações quase nunca satisfazem, concordam?

Mas eis que há um bolo de côco verdadeiramente angelical que me deixou muito feliz nesta manhã de domingo de outono.

Eu sempre gostei tudo côco mas sempre tive medo de comer qualquer coisa que contivesse côco desde que tive que ir pra emergência do hospital em 2000 com uma enxaqueca que me levou à beira da loucura. Foi a primeira vez que tomei uma injeção na veia para controlar uma dor que me debilitou a ponto de xingar quem não merecia. Eu havia comido uma torta de côco que comprei numa padaria no bairro Santana em Rio do Sul. A imagem ainda está gravada na minha mente. Uma das grandes tentações virou um pesadelo tormentoso. E desde então eu considerei côco um fator alérgico de alta periculosidade seguindo o raciocínio do médico que me atendeu naquela madrugada. Ele concluiu que eu havia comido algo que realmente me fez mal e a única coisa diferente que comi havia sido a torta de côco. Coitado do côco, condenado erroneamete. A culpada mesmo era a gordura vegetal usada na torta. Hoje eu consigo isolar a causa porque sinto reação ruim se volto a ter contato, especialmento associada à açúcar e alta temperatura onde o doce fica tostado.  Levei 12 anos para aprender isso.

Até o ano de 2000 eu não tinha muito uso para côco. Ele era limitado à uma água de côco no verão, cocada que é mais açúcar do que côco e deixei de curtir após a adolescência e eventualmente um bolo ou uma sobremesa. Hoje côco faz parte da minha dieta diária. Uso e abuso desta deliciosa fruta que a natureza nos oferece. Aprendi a incorporar o côco em todas as refeições da meu dia a dia. Até aprendi a fazer bochecos com óleo de côco ao acordar, antes de escovar os dentes, por uns 10 a 15 min. Algo que leva uns 10 dias para você aprender a gostar mas que se torna irresistível e os benefícios são muitos mas vou deixar isso para um próximo artigo.

O bolo de côco que fiz ontem à noite não leva trigo branco nem áçucar – os dois processados mais consumidos e uma dupla inimiga da nossa vitalidade. A receita eu vi no blog da Carrie Vitt www.DeliciouslyOrganic.com.

INGREDIENTES:

Para a massa

  • 8 ovos de galinha caipira em temperatura ambiente
  • 1/2 xíc de mel puro local
  • 6 colheres de sopa de manteiga sem sal em temperatura ambiente
  • 1/2 xícara de creme de côco (você pode deixar uma lata de leite de côco na geladeira por 12hrs e abri-la na parte de baixo. Descarte o líquido e use o creme)
  • 1 colher de extrato de baunilha caseiro
  • 1 xícara de farinha de côco
  • 1/2 colher chá de bicarbonato de sódio
  • 1/2 colher chá de sal céltico

Para a cobertura

  • 200 gr de manteiga sem sal em temperatura ambiente
  • 200 gr de creamcheese ( ou iogurte natural integral drenado levemente batido com uma pitada de sal. Esta opção lhe oferece o benefício dos probióticos)
  • 1/2 xíca de manteiga de côco
  • 1/4 xícara de mel cru puro local (boas bactérias para sua imunologia)
  • 1 colher sopa de extrato de baunilha caseiro
  • 1 xícara de côco ralado ou em flocos sem açúcar levemente tostado.

INTRUÇÃO

Aqueça o forno em 175 C e unte uma forma redonda de 23cm com manteiga ou óleo de côco.

Em uma batedeira fixa bata os ovos e o mel em velocidade méia alta por uns 5 minutos até criar uma mistura homogênea fofa. Você vai ter uma gemada. Agora adicione e incorpore a manteiga em colheradas, uma de cada vez em velocidade baixa. Em seguida a manteiga de côco, uma colherada por vês e a baunilha.

Misture a farinha de côco, sal e bicarbonato e adicione esta mistura lentamete à mão à gemada doce. Despeje na forma e deixe descansar por 5 minutos. Isso permite que a farinha de côco absorva a umidade.

Asse por 25 a 35 min, depende muito do seu fôrno. Fique de olho quando começa a dourar em volta.

Retire e deixe descansar dentro da forma por pelo menos 10 min e desenforme para esfriar completamente.

Para a cobertura: Bata todos os ingredientes, exceto o côco tostado, na batedeira fixa em velocidade média por 2 ou 3 min. Você verá uma consistência firme e fofa. Agora é só “chimiar”o creme e cobri-lo com o côco ralado tostado.

Bom proveito e saúde!

Você fez esta receita? Me conte como foi!

 

 

 

 

 

 


Meu nome é Cristine e este blog é para você. Ele também representa um novo começo para mim.

Sou apaixonada por saúde, moro na Florida, USA e administro nossa empresa de exportação.
Comente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.